Quando crianças, temíamos monstros emergindo da escuridão de nossos armários.

À medida que crescemos, nossos medos mudam gradualmente. Quando adolescentes, temíamos a rejeição de nossos amigos e de nossas paixões.

Na universidade e na faculdade, enfatizamos nossas notas e nossos futuros.

Agora, enfatizamos o COVID-19.

O cérebro, o medo e a previsão

Não importa quantos anos tenhamos, a raiz de muitos de nossos medos e ansiedades é a incerteza. O cérebro prevê mudanças no ambiente. Ele percebe padrões em nosso ambiente, para conectar causa com efeito.

Pense na sua retina. Há um ponto que não consegue sentir nenhuma luz, chamado ponto cego. No entanto, nosso cérebro preenche os detalhes prováveis. Nosso cérebro faz um trabalho tão bom que raramente, se é que percebemos, o ponto cego.

Quando se trata de interpretar padrões mais complexos ou prever eventos sem informações prévias suficientes, nos sentimos incertos. Essa incerteza leva ao medo e à ansiedade em todas as etapas de nossas vidas. Não sabemos o que está em nosso armário, nem como nossa paixão pode nos responder, ou que tipo de carreira podemos alcançar!

Qual é o ponto da incerteza?

Se a incerteza é uma fonte de estresse e ansiedade, por que é importante? Quando criança, adoraríamos ter certeza de que os monstros não estão escondidos em nosso armário. Esse medo manteve nosso coração acelerado, nossa respiração rápida e superficial e nossos pés prontos para correr para fora da sala.

O sentimento de incerteza ativa diferentes partes do cérebro e do corpo para mobilizar uma resposta ao estresse. Caso realmente exista um perigo, estamos prontos para enfrentá-lo. Muitos cientistas propuseram um propósito evolutivo para essa resposta física. Permitiu que nossos ancestrais escapassem dos predadores. No entanto, hoje existem consideravelmente menos ameaças do que há 100.000 anos atrás, transformando esse recurso vantajoso em um bug fisiológico. Nosso corpo não pode dizer a diferença entre a sensação de que um predador com fome está nos perseguindo atrás de alguns arbustos ou a sensação de que não estamos preparados para um exame.

Plantão Psicologia, Terapia de Casal Online, Terapia por Mensagem

O que isso faz com o nosso cérebro e nosso corpo?

Em 2015, importantes neurocientistas e pesquisadores do estresse, Achim Peters, Bruce S. McEwan e Karl Fritson, formularam uma nova definição operacional para o estresse. Eles argumentaram que o cérebro infere causas para diferentes percepções usando informações anteriores. Isso é chamado de estrutura bayesiana, onde informações anteriores são incorporadas a novas informações para fazer a melhor previsão. Duas partes do cérebro são ativadas quando há muita incerteza, o córtex cingulado anterior (ACC) e a amígdala. Ambas as regiões estão envolvidas na emoção. O ACC também está envolvido no funcionamento cognitivo superior. Os pesquisadores colocam isso melhor na conclusão de seu trabalho:

Em conclusão, se nos sentirmos confiantes de que podemos alcançar nossos objetivos (ou seja, um curso de ação tem um risco particularmente baixo), o ACC informa o sistema motor sobre a melhor ação. No entanto, se tivermos dúvidas sobre o que fazer em seguida (todas as estratégias são igualmente arriscadas), o ACC inicia um programa de emergência para garantir que as inferências sobre o estado do mundo sejam devidamente informadas.

O alarme disparado pelo ACC ativa a amígdala, iniciando uma resposta abrangente ao estresse, composta por três componentes:

O eixo hipotálamo-hipófise-adrenal (HPA): O hipotálamo envia um sinal hormonal para a glândula pituitária. Por sua vez, libera um hormônio que ativa a glândula adrenal, liberando cortisol e outros sinais. O cortisol é o hormônio do estresse do nosso corpo, que viaja para o cérebro e o prepara para lidar com o estressor.

O sistema nervoso simpático: O famoso sistema de luta ou fuga é responsável pela mobilização física durante o estresse. Libera adrenalina das glândulas supra-renais. A resposta global do nosso corpo inclui aumento da freqüência cardíaca e pressão arterial, liberação de glicose no sangue e dilatação da pupila. Este sistema nos ajudou a fugir fisicamente de predadores há 100.000 anos e está intimamente envolvido com transtornos de estresse e ansiedade.

O Locus Coeruleus: Esta área do cérebro causa a liberação generalizada de noradrenalina em preparação para o estresse que se aproxima.

Todos esses sistemas retornam ao cérebro e alteram sua conectividade e nossa tomada de decisão.

COVID-19 e incerteza

Há uma pandemia silenciosa concomitante à disseminação do SARS-CoV-2. Além da ameaça que esse vírus respiratório representa para a nossa saúde, enfrentamos uma crise de saúde mental sem precedentes. É exagerado pela falta de opções e recursos on-line para os indivíduos receberem aconselhamento ou terapia oportuna. Além das tensões do isolamento social, há uma nuvem de incerteza que permeia todos os cantos dessa pandemia. Da ciência ao funcionamento da sociedade e à sua política, há muita coisa sobre a qual não temos certeza.

Não podemos prever como essa pandemia irá progredir ou quando terminará. Não podemos prever se ou quando encontraremos uma vacina ou um tratamento. Não podemos prever o que acontecerá com a economia ou se nossas famílias serão infectadas. Quando não temos certeza, somos propensos a tomar decisões piores.

A ciência, por definição, funciona na incerteza. Não podemos provar uma ideia por trás de uma sombra de dúvida, porque não há como testar nossa idéia em todas as situações plausíveis. Em vez disso, os cientistas procuram testar uma hipótese nula. Se usarmos o SARS-CoV-2, por exemplo, podemos estar interessados ​​em impedir que ele entre em nossas células. Podemos ter uma idéia de usar uma certa terapêutica para detê-la. Os cientistas então testarão com uma hipótese nula em mente: o vírus não é afetado por esta terapêutica. Se essa hipótese nula é contradita pelos dados, significa que nossa ideia se torna mais plausível.

Plantão Psicologia, Terapia de Casal Online, Terapia por Mensagem

Dessa maneira, o progresso científico é frequentemente incremental. Construímos evidências e idéias para ver se elas podem suportar um exame experimental. Pode ser preocupante e preocupante assistir às notícias e ouvir informações sobre a mudança do vírus semana a semana. Ou mesmo ouvindo recomendações e previsões de sua mudança de gravidade. Essa incerteza, associada a um mal-entendido do método científico, pode levar os indivíduos ao conforto da certeza conspiratória.

COVID-19 Conspiração e Saúde Mental

A incerteza leva ao medo e à ansiedade. Não queremos um fluxo constante de alterações nas recomendações, buscamos explicações que encontrem uma causa definitiva para esses eventos. Dessa maneira, o pensamento conspiratório pode reduzir esses sentimentos causados ​​pela incerteza. É lamentável que muitas vozes confiantes que prometem certeza durante a pandemia estejam repletas de erros científicos, imprecisões e invenções. Somos hipnotizados por sirenes pseudocientíficas que nos levam a conclusões falsas.

Todos nós queremos explicações sobre o SARS-CoV-2. É muito mais confortável acreditar na existência de vírus de engenharia de vilões e bicho-papões do que confiar na incerteza. Devemos culpar e envergonhar as pessoas por se apaixonarem pelo pensamento conspiratório?

A resposta é um sonoro não!

Estamos todos fazendo o possível para gerenciar nossa saúde mental, estresse e ansiedade. Mas há muitas pessoas que lidam com a incerteza que ficava acordada à noite preocupadas com o bloqueio. Precisamos abordá-los com ciência, bondade e empatia. Nosso cérebro é propenso a encontrar padrões onde não há, e todos somos capazes de ser vítimas desses erros. Envergonhar alguém não é uma maneira eficaz de comunicar a ciência ou mudar a mente de alguém.

Os efeitos do aumento da incerteza nos níveis de estresse podem levar ao aparecimento de ansiedade, depressão ou outros distúrbios. Muitos de nós somos socialmente isolados sem acesso a nossos amigos ou familiares. Agora, mais do que nunca, precisamos entender como a incerteza afeta nosso corpo e nosso humor. Precisamos nos concentrar em cuidar de nós mesmos e dos outros.